Na Floresta


Gibran

Na floresta não existe nem rebanho, nem pastor.
Quando o inverno caminha, segue seu distinto curso como faz a primavera.
Os homens nasceram escravos daquele que repudia a submissão.
Se ele um dia se levanta, lhes indica o caminho, com ele caminharão.
Dá-me a flauta e canta! 
O canto é o pasto das mentes. 
E o lamento da flauta perdura mais que rebanho e pastor.

 Na floresta não existe ignorante ou sábio.
Quando os ramos se agitam, a ninguém reverenciam.
O saber humano é ilusório como a cerração dos campos
que se esvai quando o sol se levanta no horizonte.
Dá-me a flauta e canta!
O canto é o melhor saber, 
e o lamento da flauta sobrevive ao cintilar das estrelas.

Na floresta só existe lembrança dos amorosos.
Os que dominaram o mundo e oprimiram e conquistaram, 
seus nomes são como letras dos nomes dos criminosos.
Conquistador entre nós é aquele que sabe amar.
Dá-me a flauta e canta! 
E esquece a injustiça do opressor.
Pois o lírio é uma taça para o orvalho e não para o sangue.

Na floresta não há crítico nem sensor.

Se as gazelas se perturbam quando avistam companheiro, a águia não diz: ‘Que estranho’.
Sábio entre nós é aquele que julga estranho apenas o que é estranho. 
Ah, dá-me a flauta e canta! 
O canto é a melhor loucura e o lamento da flauta sobrevive aos ponderados e aos racionais.

Na floresta não existem homens livres ou escravos.
Todas as glórias são vãs como borbulhas na água.
Quando a amendoeira lança suas flores sobre o espinheiro,
não diz: ‘Ele é desprezível e eu sou um grande senhor’
Dá-me a flauta e canta!
Que o canto é glória autêntica e o lamento da flauta sobrevive ao nobre e ao vil.

Na floresta não existe fortaleza ou fragilidade.
Quando o leão ruge não dizem: ‘Ele é temível’.
A vontade humana é apenas uma sombra que vagueia no espaço
do pensamento e o direito dos homens fenece como folhas de outono.
Dá-me a flauta e canta! 
O canto é a força do espírito e o lamento da flauta sobrevive ao apagamento dos sóis

Na floresta não há morte nem apuros.
A alegria não morre quando se vai a primavera. 
O pavor da morte é uma quimera que se insinua no coração.
Pois quem vive uma primavera é como se houvesse vivido séculos. 
Dá-me a flauta e canta! 
O canto é o segredo da vida eterna e o lamento da flauta permanecerá após findar-se a existência.

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Elementos do Tarot

Reflexões sobre as cartas do Tarot e do Baralho Lenormand

Gestão da Mente

Evandro Vieira Ouriques

Centro Cultural Brasil Africa

Culto dos Orixás Africanos e Nativos da America

Coffee Shop Lila Wakan

Terapia Asistida por Caballos - Pensionado Ecuestre - Eventos y Cursos

Reflexiones Paganas

Reflexiones y pensamientos sobre filosofía pagana y temáticas de actualidad...

Matt on Not-WordPress

Stuff and things.

tantrashik.wordpress.com/

LIFE. LOVE. LAUGHTER.

angel.lyl

A magia esta no ar, terra, fogo, água

E.I.E. Caminhos da Tradição - Colunas

Colunistas da E.i.E. Caminhos da Tradição postarão seus textos aqui.

PALAVRA DE BRUXA

Caminhando nos labirintos do amor

tarotleituraescrita

Just another WordPress.com site

Catarina Platz

Uma garotinha num mundo fantástico tentando registrar alguns dos outros mundinhos que adora ir visitar!

La Negra Pantera

"...mulher-fera, usa unhas como se fosse pantera..." Carlos Seabra

Irmandade da Floresta

Site oficial do Grupo de Estudos Irmandade da Floresta.

Celtocrābii̯on

Dēu̯ūs molrā, nī dugi drucon, etic galīn arbere.

A Magia de Ser Feliz

Poções & Encantos by Tânia Gori

%d blogueiros gostam disto: